O MINISTÉRIO DAS CALAMIDADES, QUE PROPUS NA CAMPANHA DE 2014, É, MAIS DO QUE NUNCA, IMPRESCINDÍVEL

O Brasil vive uma situação desesperadora com a epidemia do Zika Vírus e a consequente propagação da Microcefalia em bebês ainda em período de gestação. Além disso, a Região Sudeste começa a ser afetada pelas chuvas do fim do verão, que sempre acarretam em transtornos e perdas, muitas vezes irreparáveis, para a população. E o Nordeste brasileiro, sempre esquecido à própria sorte, sofre todos os dias com seca, fome, sede e muitos outros transtornos.

Em 2014, durante a campanha presidencial, propus a criação do Ministério das Calamidades, que seria totalmente capaz de cuidar de casos como esses. Ao contrário de, por exemplo, ter de enviar nossos militares para cuidar de focos de mosquito, o que chega a ser um desrespeito aos nossos heróis de farda, teríamos equipes especializadas, treinadas e com foco total em resolver esses problemas.

Não seria apenas mais um ministério. Sei que o Brasil é um país que gasta demais com secretarias e ministérios, mas a intenção é extinguir as pastas que apenas sugam dinheiro público e investir naquelas que realmente trarão benefícios para o povo. Mas, ao invés disso, o governo Dilma prefere esquecer o povo e apenas encher os próprios bolsos de dinheiro. Que tristeza!